Reuniu-se na diocese de Benguela, entre os dias 25 a 28 de Maio, o Conselho Geral da Caritas de Angola, representado por dezasseis das dezanove Caritas Diocesanas que o constituem.

Presidiu o Conselho D. Estanislau Chindecasse, bispo do Dundo e presidente da Caritas de Angola, que durante a sessão de abertura salientou:

“A Caritas é património da Igreja e da história de Angola; a Caritas é a concretização do amor de Deus aos homens,  para tal precisamos evoluir  enquadrando o nosso trabalho aos novos contextos sociopolítico e económico do país; a exigência do amor ao próximo são as mesmas e temos de reafirmar o nosso apoio integral e ou multiforme as pessoas necessitadas”

 

O Conselho que pela primeira vez realizou-se fora da Arquidiocese de Luanda, decorreu num franco espírito participativo, critico, de irmandade e comunhão eclesial tendo no final chegado ás seguintes Conclusões e Recomendações a ser implementadas nas Caritas Diocesanas com o apoio coordenador da Direcção Geral.

 

 

CONCLUSÕES

 

  • Tendo em conta algumas realidades que a Caritas de Angola está a viver, decorrente do actual contexto económico-financeiro do país, o Conselho concluiu:

 

  • A Direcção Geral da Caritas de Angola há três anos que não honra os seus compromissos como membro da IMBISA, Caritas África e Caritas Internacionalis no pagamento das quotas devido aos atrasos ou o não pagamento das quotas e percentagens da parte das Caritas Arqui/diocesanas;

 

  • Atrasos da parte das direcções diocesanas na prestação de contas e relatórios narrativos das actividades à Direcção Geral;

 

  • Dificuldades na dinamização das Caritas paroquiais como instituição que concretiza a pastoral social da Igreja;

 

  • Falta do espírito de comunhão ou seja falta do interesse e paixão à causa que a Caritas incarna;

 

  • Necessidade de renovar a acção da Caritas em todo o país.

 

RECOMENDAÇÕES

 

  1. Os Senhores presidentes das Caritas diocesanas assumam com paixão a dinamização da Caritas como Instituição, reconhecendo-a como coordenadora das acções dos movimentos e associações que se enquadram na Acção Social da Igreja.

 

  1. Que os bispos continuem a insistir junto aos párocos sobre o papel primordial que tem a Caritas a luz da Doutrina Social da Igreja no contexto da Evangelização.

 

  1. Que o Presidente da Caritas de Angola, continue a fazer lobying junto dos outros bispos no que diz respeito a organização institucional da Caritas, nas suas próprias dioceses;

 

  1. Na nomeação dos directores/directoras se tome em conta o interesse, competência e a paixão que eles têm para com a causa da Caritas;

 

  1. Que se promovam os conselhos diocesanos antes do Conselho Geral da Caritas.

 

  1. Que a promoção das campanhas (Advento e Quaresma) sejam da responsabilidade das respectivas Caritas diocesanas, cabendo a divulgação das mesmas a DG através dos meios de comunicação social disponíveis;

 

  1. Que a contribuição anual das Caritas diocesanas à DG se mantenha no valor equivalente a USD 250,00 ao câmbio oficial;

 

  1. Em relação às dívidas que a Caritas de Angola tem, referentes aos anos 2014; 2015 e 2016, recomenda-se que as Direcções Diocesanas que ainda não pagaram devem faze-lo na totalidade, até dia 30 de Junho de 2016, no valor correspondente a 474,00 Euros ao câmbio oficial do dia;

 

  1. Em relação ao 3º Domingo da Quaresma, o Conselho Geral recomenda que sejam entregues à Direcção Geral as correspondentes percentagens até 30 de Junho de 2016. Para o efeito, o Conselho Geral solicita aos Senhores Presidentes Diocesanos que junto dos ecónomos facilitem a desburocratização administrativa – financeira que se constata;

 

  1. O Conselho Geral propõe que o próximo encontro seja realizado na diocese do Sumbe e em caso de impossibilidade, a Arquidiocese de Malange será a alternativa;

 

  1. Decidiu assim que as datas exactas serão comunicadas pelo Presidente da Caritas depois da marcação das datas da AG dos Bispos, durante o 1º trimestre de 2017. Para o efeito, os coordenadores das 5 regiões deverão reunir os seus membros (DD de cada região) até 2ª quinzena de Setembro de 2016, não apenas para discutir acções perspectivas como também recolher dados indicativos a apresentar aos líderes das outras regiões. A reunião de preparação do próximo CG deve ser realizada até 1ª quinzena de Novembro de 2016. O produto final deverá ser distribuído a todos os DD.

 

  1. Face às dificuldades de contratação de pessoal remuneravel, o CG recomenda fazer recurso ao voluntariado de técnicos, leigos capacitados, reformados e ou no activo que sejam competentes.

 

 

  1. Face às dificuldades que se verificam na revitalização das caritas paroquiais, o Conselho Geral recomenda a acção que os Senhores Bispos podem ter no sentido de motivar todos os párocos para o carácter essencial que a Caritas tem nas suas Paróquias;

 

  1. O CG identificou entre as dioceses boas práticas e incentiva a promoção de trocas de experiências entre elas para assegurar o efeito de multiplicação quer dos efeitos como a maximização das sinergias existentes.

 

  1. O CG recomenda o diálogo coordenado com as diferentes comissões pastorais que realizam acções sociais para a pastoral de conjunto com vista a maximizar os efeitos, incrementar o impacto das acções da igreja na área social e promover acções conjuntas que podem facilitar igualmente a angariação de fundos.

 

  1. Considerando que todos os anos deve haver refrescamento ou formação para os DD, sugerem-se os seguintes temas: Gestão organizacional, administrativa e liderança. Para o presente ano a formação terá lugar na Arquidiocese do Huambo na 2ª quinzena de Agosto de 2016.

 

Benguela ao 27 de Maio de 2016

 

Share This